100%

CNM parabeniza presidente eleito e destaca a regulamentação do pacto

O processo eleitoral 2018 finalizou no domingo, 28 de outubro, com a definição dos nomes do próximo presidente da República e de 13 governadores de Estados, além do Distrito Federal (DF). Com 55,1% dos votos válidos, Jair Messias Bolsonaro (PSL) será o próximo chefe do Executivo Federal. O presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Glademir Aroldi, parabeniza o vencedor e reforça o importante momento para os Municípios brasileiros, já que, na sua campanha, o eleito foi enfático em afirmar que quer mais Brasil e menos Brasília e isto significa que os governos locais serão fortalecidos com recursos financeiros e técnicos para executar as políticas públicas.

“Nossa expectativa é que possamos regulamentar de uma vez por todas, as competências do pacto federativo através de uma relação mais próxima”, disse. Para Aroldi, é importante construir um diálogo com o futuro governo para que as dificuldades que freiam o atendimento da população, nos Municípios, principalmente em decorrência da escassez de recursos, sejam solucionadas. O presidente da CNM reitera que o movimento municipalista tem muito a contribuir com o próximo governo. “São vários assuntos que nos preocupam e para os quais temos sugestões viáveis de solução”, disse o presidente da CNM. Como exemplo, ele menciona o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), que é o maior fundo do país e que encerra em 2020 e que comprovou ser um bom instrumento para o financiamento da educação básica, mas que precisa ser aprimorado.

“A União deve ter uma participação maior na formação desse Fundo. Não dá para deixar apenas para Estados e Municípios o financiamento da educação básica pois as desigualdades são gritantes e estão presentes em todas as regiões do país”, defende o presidente da CNM, ao lembrar que 60% do valor saem de recursos dos Municípios, 30% do caixa dos Estados e apenas 10% é a participação da União. Outro caso emblemático é o da saúde, em que os governos locais acabam investindo uma média de 22% de seus orçamentos com o setor, enquanto, o limite constitucional estabelecido é de 15% da receita municipal.

“Há Municípios que investem 35, 37 e até 38% de seu orçamento em saúde. Esta despesa que não é responsabilidade dos governos locais, prejudica a organização da administração municipal pois outras atividades de responsabilidade dos Municípios deixam de ser realizadas por força destas urgências inadiáveis, mas que não são em regra responsabilidade do ente local. É claro que o que falta, é investimento por parte do governo federal”, disse Aroldi. Em relação à regulamentação do pacto federativo, o presidente da CNM aponta os avanços obtidos, ao longo dos anos, mas ainda é preciso deixar claro quais as competências de cada um dos Entes federados. “Quais as responsabilidades da União, dos Estados e dos Municípios, e, na mesma proporção, a participação no bolo tributário e a definição da fonte de custeio para arcar com uma a uma dessas atribuições”, reforça.

Segundo Aroldi, o que acontece é exatamente o contrário. “Ao longo dos últimos anos, transferiram responsabilidades que eram dos Estados e da União para os Munícipios e não transferiram, na mesma proporção, a participação no bolo tributário. É essa a regulamentação que precisamos fazer. As competências estão listadas no art. 23 da Constituição, mas a regulamentação prevista no parágrafo único, ainda aguarda pela ação efetiva do governo federal e do Congresso Nacional “disse o presidente da CNM.

Regulamentação
“É isso que nós buscamos, uma maior autonomia para os Municípios e a regulamentação, tão falada, desse pacto, de uma vez por todas. Nós, prefeitos e prefeitas do Brasil queremos contribuir com o país”, reafirma o líder municipalista ao reforçar: “é essa relação que queremos com o governo, essa possibilidade de poder sentar numa mesma mesa e colocar os nossos dados, as nossas informações, as nossas propostas e como pensamos cada situação”.

Logo após a confirmação da vitória, em seu primeiro discurso como presidente eleito, Bolsonaro disse que seu governo quebrará paradigmas e reafirmou o compromisso assumido durante a XXI Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, em maio. “O governo respeitará, de verdade a federação. As pessoas vivem nos Municípios, portanto os recursos federais irão diretamente do governo central para Estados e Municípios”. Ainda em sua fala, o futuro presidente reafirmou uma das frases de sua campanha, “Mais Brasil e menos Brasília”, para se referir à necessidade de repensar o pacto federativo e ao grande propósito do seu programa de governo.

Da Agência CNM de Notícias


Fonte: Portal CNM - Confederação Nacional de Municípios
Protocolos desta Publicação:Criado em: 30/10/2018 - 09:21:37 por: Silvane Correia Biff Figueiro - Alterado em: 30/10/2018 - 09:21:37 por: Silvane Correia Biff Figueiro

Notícias

Turismo é responsável por 8% da economia, participação no PIB cresce
Turismo é responsável por 8% da economia, participação no PIB cresce

A participação do Turismo no Produto Interno Bruto (PIB) nacional cresceu, nos últimos anos, e o setor já é responsável por mais de 8% da economia, com a cerca de 7 milhões de trabalhadores empregados. Os números foram mostrados pelo estudo do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC, na sigla em inglês), que evidência o discurso e o trabalho da Confederação Nacional de Municípios (CNM), no sentido de mostrar os benefícios do setor para a economia e para a geração de...

Confederação apresenta emendas ao projeto que cria a Gestão Compartilhada
Confederação apresenta emendas ao projeto que cria a Gestão Compartilhada

Proposta com o objetivo de facilitar o acompanhamento orçamentário, financeiro e físico da execução de obras, da prestação de serviços públicos e da aquisição de materiais e equipamentos pelo cidadão acaba de receber contribuição da Confederação Nacional de Municípios (CNM) a fim de garantir a execução por parte da administração municipal. Por meio de uma articulação com o líder do maior bloco partidário da Câmara dos Deputados, o deputado Elmar Nascimento (DEM-BA),...

Dia da Mulher: planejamento com enfoque em gênero torna espaços públicos mais seguros e inclusivos
Dia da Mulher: planejamento com enfoque em gênero torna espaços públicos mais seguros e inclusivos

Planejar as cidades e desenvolver espaços públicos sob uma perspectiva de gênero pode parecer complexo e até restritivo, mas alguns exemplos na América Latina e do Norte, incluindo o Brasil, têm mostrado como tornar os centros urbanos mais seguros e inclusivos para as mulheres. Segundo o Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e Energia, as ações podem começar com a reavaliação da infraestrutura e de elementos como sinalização, visibilidade ou vigilância, que impactam diretamente...

Programas de erradicação da pobreza podem ser avaliados por índice multidimensional
Programas de erradicação da pobreza podem ser avaliados por índice multidimensional

Um critério técnico para avaliar o cumprimento pelo Brasil da erradicação da pobreza, um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), pode ser criado se o Projeto de Lei (PL) 218/2019 for aprovado pelo Congresso e sancionado pela presidência da República. A proposição determina que os resultados dos projetos criados pelo governo, com essa finalidade, sejam medidos e monitorados por índice multidimensional da pobreza. O projeto será analisado em caráter conclusivo pelas...